Quinta-feira, 17 de Outubro de 2013

Metafísica da Malva

 

Imaginava que as arestas das grandes folhas
esmaeciam e que a malva odorífera
era o coração verde mais vivo
entre as plantas daqueles campos.
Campos que em si
esmaeciam também na luz jacente celeste
espalhada pelo chão sem fim.
Céu inteiro no mundo sem diferença.
Folhagem a ser imaginada somente,
depois de a ver e apalpar o poeta,
guardada no coração para a rever.
Fiama Hasse Pais Brandão, in "Três Rostos - Arómatas"


enviada por antonio01 às 00:53
link do post | comentar | favorito

Subscribe to RSS headline updates from:
Powered by FeedBurner

.tags

. todas as tags