Segunda-feira, 3 de Junho de 2013

Nenhum Mortal no Mundo Satisfeito

 

Nenhum mortal no mundo satisfeito
Com sua Sorte está, nunca é contente,
Pois de mil desatinos enche a mente
Sem que possa gozar um bem perfeito.

O soldado deseja o canto estreito
Da cela do ermitão, com ânsia ardente:
Este, da guerra, o estrépito fremente
Deseja, sem razão, ao ócio afeito.

O rico, redobrados bens deseja;
O pobre, de quimeras se sustenta;
No coração humano reina a Inveja.

Pobre, rico, fidalgo se alimenta
De insaciáveis desejos que lhe peja
Sua Sorte fatal, que os não contenta.
Francisco Joaquim Bingre, in 'Sonetos'


enviada por antonio01 às 01:43
link do post | comentar | favorito

.tags

. todas as tags